Presto Gaudio On abril - 22 - 2013

Homem-Aranha 136

Se na revista do mês passado tivemos mais páginas para adiantar a cronologia, quatro histórias diferentes, retiradas de sete edições norte-americanas. Desta vez temos apenas três histórias que não vem da série principal do Aracnídeo, com exceção da Amazing Spider-Man 679.1, mas esta poderíamos chamar de edição extra. Voltando a bater na mesma tecla da review do mês passado: se o Homem-Aranha está tão atrasado cronologicamente em relação ao resto do Universo Marvel, por que não publicar apenas edições da Amazing e deixar as outras revistas eventuais ou spin-offs na “Homem-Aranha extra” que é a Teia ou publicar outras edições especiais? Ok, não falarei mais sobre isso… vamos à análise desta edição.

A revista começa com a história da Amazing Spider-Man 679.1. A princípio vale um esclarecimento sobre o que foi a iniciativa Marvel.1. Ela ocorreu logo após o sucesso de vendas do Reboot da Dc que conquistou novos leitores em conjunto com a diminuição de 2 páginas das suas edições mensais que procurava uma forma de baratear seus custos de produção e não aumentar o preço das revistas. A Casa das Idéias, por sua vez, começou a bolar algumas estratégias, uma delas foi a série .1, nesta, as principais revistas da editora receberia no mês de janeiro de 2012 uma edição extra com .1 marcado na capa. O intuito era de que essas revistas serviriam de porta de entrada para novos leitores que sempre reclamam não saber por onde começar a ler determinada revista, em parte isso poderia ser interessante, mas na realidade não ocorreu da forma desejada.

Na edição .1 de Amazing Spider-Man, por exemplo, a aventura procura fazer um breve resumo da vida atual de Peter, a fim de contextualizar o novo leitor, ao mesmo tempo em que lança pistas para as aventuras futuras. No entanto, acredito que um leitor que só conhece o básico do personagem irá estranhar um Homem-Aranha que não é fotógrafo, que acabou de se separar da namorada (Mary Jane? Gwen Stacy? Afinal, quem é Carlie?) sem contar a menção á saga Ilha das Aranhas. Já para o leitor que vem acompanhando a revista, este não sentirá nenhum problema, pois a pequena recapitulação não incomoda tanto.

Basicamente a história segue Peter e Uatu (não é o gigante cabeçudo que narra as histórias do Quarteto Fantástico, mas um moleque cientista que trabalha no Laboratório Horizonte, e recebeu esse nome porque seus pais são fãs da Super Família da Marvel). Durante a aventura o jovem Uatu faz uma parceria com o Homem-Aranha que descobrem quem é o misterioso cientista do laboratório 6. Na conclusão, temos um vislumbre do animalesco Lagarto, possivelmente preparando terreno para o filme do Homem-Aranha que estrearia alguns meses depois do lançamento da edição americana nas bancas.

 

As duas histórias que aparecem em seguida são referentes a uma nova revista mensal do Homem-Aranha, Avengin Spider-Man. A proposta desta revista é contar alguns momentos que o Teioso tem com os Vingadores, cada edição mostra uma parceria dele com algum outro Vingador que podem durar até três números, como é o caso desta primeira história. Peter, depois de ajudar os Vingadores contra agentes da IMA, precisa voltar para o trabalho e, muito a contragosto recebe carona do Hulk Vermelho. Chegando na cidade, eles se deparam contra diversos toupeiróides que seqüestraram J.J.Jameson para dentro da terra. Chegando lá, descobrimos que o Toupeira foi dominado por seres de regiões mais profundas ainda!!! E o seqüestro do Jameson ocorreu devido a ele ser o “líder” da superfície. É isso, a história se estende por mais duas edições, inclusive só terminará no próximo número da revista brasileira.

Como já falei, não sou contra as histórias elas são até bem divertidas, mas elas poderiam ter sido lançadas em edições especiais, ainda mais aproveitando o yupie dos Vingadores. Pois elas não influenciam em nada na cronologia, e estamos em um momento de adiantar as histórias do Aranha, pois se a Panini quiser começar o Marvel Now em todas revistas da linha, nos próximos seis meses ela terá que publicar 20 edições do Aranha… será?

 

 

 

 

Sobre o Autor

Colecionador de quadrinhos desde A Morte do Super-Homem (antigamente, era assim que se escrevia). Já o Homem Aranha foi a fatídica saga do Clone que, podem me criticar, eu gostei, embora tenha acabado muito ruim e terem exterminado qualquer consequência. Historiador de formação que ainda sonha em ser arqueólogo.

VÍDEOS

Navegador de Podcasts





PADRIM

Padrim3

Visite Nossa Loja Virtual

Loja Virtual

CANAIS

Feeds Twitter You Tube Instagram Facebook

Fan Page

9ª Arte