Presto Gaudio On março - 16 - 2017

Espetacular Homem-Aranha 4

A edição de fevereiro de Homem-Aranha, lançada no início de março, traz o início do segundo arco do personagem, parece que a ordem editorial do momento são arcos de histórias de apenas cinco edições. Aqui temos Peter participa do de reuniões na filial chinesa da IP enquanto um velho inimigo retorna: o Senhor Negativo. Situação curiosa e a presença de Manto e Adaga como capangas do vilão em sua versão “negativa”(?), um manto que emite luz e tem poderes de persuasão é uma adaga com emissão de raios negros, provavelmente mais uma transformação ocorrida durante os meses obscuros pós Guerras Secretas.

AmazingSpider-Man20158-p6

O clima desta revista destoa do normal do Aranha, o que pode incomodar seus fãs, mas a história não é ruim, embora a trama seja bastante lenta. Temos vários subplots correndo juntos como o Sr Negativo tentando disseminar uma droga que desperta o pior lado de alguém, o plano de usar essa droga em um filantropo chinês que já foi um gângster escravista, Peter manobrando os próprios funcionários em benefício de sua contraparte e causando descontentamento geral, o Regente aparecendo em Nova York e a revelação da funcionária das Indústrias Parker que fornece segredos para o Escorpião.

Dan Slott desta vez recebe o desenhista Matteo Buffagni (ele tem uma preferência por italianos/descendentes de italianos né?) e as cores de Marte Gracia. A arte de Matteo tem bastante semelhança com a de Giuseppe Camuncoli, no uso das hachuras, na narrativa e no nível de realismo empregado, com o acréscimo de se sair melhor do que o desenhista oficial nos desenho dos olhos do personagem. Já o roteiro, Slott foge da aventura tradicional dando continuidade ao empresário e compõe um mix de trama corporativa e policial que explora o desgaste da figura de Peter Parker nas IP.

0d50d6df574b28b8b1d70727dcbfc14b

Fechando a revista temos a quarta edição do Miles Morales. E como é típico dos roteiros do Brian Michael Bendis, não acontece muita coisa, pelo menos nada grandioso, mas a construção da relação dos personagens se desenvolve. Metade da história Ganke fica insistindo para que o Miles vá falar com o Bolas Douradas, es-X-Men que entrou no colégio e acabam tocando em assuntos como preconceitos raciais, étnicos e estético-corporais. A segunda metade temos o Miles fugindo de mísseis entre os prédios de Nova York, até descobrirmos que o Cabeça de Martelo, a mando da Gata Negra está por trás do ataque. Desenhos de Sara Pichelli, arte final de Gaetano Carlucci e cores de Justin Ponsor que entregam uma arte interessante mais focada na variação da composição dos quadros para contar a história.

Sobre o Autor

Colecionador de quadrinhos desde A Morte do Super-Homem (antigamente, era assim que se escrevia). Já o Homem Aranha foi a fatídica saga do Clone que, podem me criticar, eu gostei, embora tenha acabado muito ruim e terem exterminado qualquer consequência. Historiador de formação que ainda sonha em ser arqueólogo.

VÍDEOS

Navegador de Podcasts





PADRIM

Padrim3

Visite Nossa Loja Virtual

Loja Virtual

CANAIS

Feeds Twitter You Tube Instagram Facebook

Fan Page

9ª Arte