Jogou o recém-lançado jogo do Homem-Aranha para Playstation 4? Está com vontade? Pois o Aracnofã Raphael nos enviou um texto gigantesco com todas as suas impressões acerca do Game.

Marvel’s Spider-man

resgatando a essência do personagem!

A galera que acompanha as noticias e principalmente os
aracnofãs que gostam de video game devem estar sabendo já
do sucesso que foi o novo jogo do “Homem-Aranha”. Vários
sites de games levantaram ótimas críticas ao jogo, mas e
quanto a crítica do Aracnofã o site especializado no universo do
aranha?

Será que esse jogo do “Spider-man” é só um ótimo
jogo ou é também um ótimo jogo do Homem-Aranha?! Bem é
disso que vou tratar minha análise, como fã de jogos e fã do
Aranha desde criança não pude deixar de comprar o jogo no
lançamento e já terminei ele quase que totalmente, faltando
apenas uma ou outra missão secundária do jogo. Mas vamos
ao que interessa, muitos que ainda não jogaram devem estar
se perguntando se vale a pena, se o jogo é tudo isso mesmo,
então vejamos…Vou fazer a análise em duas partes, primeiro o
Gameplay e depois a história do jogo.

 

Mecanicas semelhantes a série Batman
arkham!
Assim que os primeiros vídeos de gameplay começaram a
ser publicados na internet foi inevitável a comparação com os

jogos da série Batman Arkham, principalmente o combate
contra os inimigos.  De fato a mecânica do jogo tem uma
pegada bem parecida com os jogos da série Arkham porem
com algumas diferenças, o Homem-Aranha tem uma variedade
bem maior de golpes, conta com ataques “especiais” e eu
particularmente achei os combates desse jogo um pouco mais
difíceis. Ambos jogos são em mundo aberto e seguem uma
pegada semelhante sendo que possuem as missões principais
que fazem parte do enredo principal do jogo e as missões
secundárias, missões que podemos fazer pra obter uma
experiência de jogo mais completa ou caso você não tenha
muito tempo nem paciência pode ignorá-las e seguir somente o
enredo do jogo. Em “Marvel’s Spider-Man” temos uma
variedade interessante de missões secundárias, o que tornam
elas menos enjoativas do que de costume em jogos do tipo:
Elas vão variando de caçar pombos pela cidade até pegar
bombas e impedi-las de explodir. Essas missões se repetem
algumas vezes mas nada muito enjoativo, na minha
experiência as mais chatas mesmo foram a dos drones, onde
perseguimos drones pela cidade e temos que passar pelo
caminho que ele vai fazendo até alcança-lo em um
determinado tempo limite.

Essas missões secundárias são
ativadas às vezes falando com algum civil que encontramos
nas ruas e pede nossa ajuda ou através das missões principais

onde ficam algumas pontas soltas que podemos resolver
paralelo ao enredo principal, como a missão do Lápide por
exemplo. Geralmente eu não ligo muito pra missões
secundárias mas nesse caso recomendo que façam pelo
menos algumas para subir o personagem de nível mais rapido
e liberar mais habilidades e também por que um dos trajes do
jogo é liberado somente após concluir uma delas.

Além das
missões secundárias temos também crimes menores que
ocorrem na cidade a todo momento que podemos fazer dando
mais imerssão ao jogo e fazendo com que o jogador se sintam na
“pele” do próprio Aranha, algo que eu achei bem legal. O jogo
também conta com vários puzzles diferentes que fazemos tanto
nas missões secundárias quanto nas principais, como por
exemplo fazer antidoto para algum veneno, hackear algum
sistema de computador ou alterar voltagem de algum
equipamento, não achei nenhum deles muito complicado na
dificuldade média do jogo, mas são elaborados o bastante pra
fazer o jogador gastar alguns minutos lá tentando resolver, e de
qualquer forma se você não estiver a fim de fazer essas coisas
o jogo da a opção de pular. Na minha opinião a maior
dificuldade do game fica nos combates, as lutas são bem
fluidas e frenéticas: O Aranha tem uma variedade enorme de
combos, o que garante que você não enjoe do jogo tão cedo,
porem o dano que levamos dos inimigos é bem alto então se

não souber usar o sentido aranha com precisão é melhor tomar
cuidado!
Pra finalizar a parte de gameplay vale ressaltar os momentos
em que controlamos a Mary Jane ou o Miles no jogo durante a
história principal. Eu particularmente achei algo bem bacana
por mais simples que seja, já que no caso do Miles se resume
a passar em stealth(na surdina) em alguns lugares perigosos e
as partes com a MJ não fujam muito disso os produtores
conseguiram fazer algo bem dinâmico, principalmente na parte
onde o Miles tem que se esconder do Rhino, confesso que
fiquei com o c#@ na mão hehe. Já com a MJ as coisas seguem
a mesma pegada porém com ela é um lance mais investigativo
e numa das missões contamos com o Aranha para ajuda-la,
sendo que jogamos alguma isca com ela, para afazer o guarda
ou quem for ir ver o que é e outro comando para chamar o
aranha, que chega na surdina e embrulha o sujeita nas teias,
outra parte é quando pegamos uma arma de choque e
conseguimos desmaiar alguns soldados da Sable com ela, mas
no geral segue a mesma pegada que as missões com o Miles,
mas não deixa de ser um detalhe interessante e que de certa
forma deu mais profundidade a história e aos personagens.

No
todo o gameplay é fluido e dinâmico, o jogo possui bugs como
a maioria mas o unico que presênciei foi um em que dei um
pulão num lugar fechado e fiquei preso no teto, em todo caso

foi um dos jogos mais gostosos que joguei no Playstation 4 até
hoje e de longe um dos melhores do aranha.

O jogo que trouxe de volta a essência do
personagem!

Bem pra falar do enredo do jogo primeiro tenho que dizer um
pouco sobre minha frágil relação atual com o cabeça de teia. Já
ha mais de dois anos parei de ler os quadrinhos da Marvel de
forma geral devido ao desagrado que eu tinha com as histórias,
mas com o aranha o buraco foi um pouco mais embaixo por ser
meu personagem favorito da editora e ver as decisões
editoriais que haviam prejudicado o personagem nos ultimos 15
anos e a forma que o personagem vinha sendo caracterizado
nas históias atuais me fez perder totalmente o interesse em ler
qualquer coisa da Marvel. Como se não bastasse veio a
animação do Ultimate Spider-man e pra piorar o personagem
passou para a Marvel Studios no cinema. Não me levem a mal
os fãs dos filmes, até hoje não tive coragem de ver o novo filme
do Aranha, bem o personagem me desagradou tanto em
Guerra Civil e Guerra Infinita que preferi evitar mais decepção.
Dito isto, como fã do aranha eu fiquei desacreditado: o
personagem vinha recebendo histórias degradantes nas hqs e
adaptações controversas no cinema então o desânimo foi mais
forte e larguei mão. Até as hqs antigas que eu tinha pra ler
ficaram guardadas no final da “fila da leitura”; uma pilha
enorme de quadrinhos e livros que tenho aqui pra ler, dai
anunciaram o jogo…

Quando o jogo foi anunciado uma das
declarações dos produtores da Insomniac que mais me
preocupou foi: “Uma das coisas que queríamos fazer antes de
começar o jogo era ver todos os filmes, ler todos os quadrinhos
e jogar os games – conhecer bem quem o Homem-Aranha foi
no passado, mas então meio que esquecemos de tudo isso
para criar nossa própria versão de quem pensamos quem o
Aranha é.“. Repetindo: “Criar nossa própria versão de quem
pensamos quem o Aranha é.” Nem preciso dizer que isso me
deixou com o pé atrás né? Mas como os trailers do jogo estavam
empolgantes, eu entrei de férias do serviço, aproveitei comprei
o jogo no lançamento e fiquei jogando até terminar e o que
posso dizer? Que essa é uma das melhores adaptações do
personagem para uma mídia fora dos quadrinhos?Que o
enredo é ótimo? Todo elogio seria pouco pois o jogo é
extremamente fiel aos quadrinhos. Não se engane : Quando digo
fiel não digo que ele é uma copia das hqs e que as histórias
são exatamente iguais, mas sim que a essência do que o personagem
é, dos coadjuvantes, tudo que os quadrinhos do Aranha já
representaram estão lá!

O enredo do jogo é totalmente original e
bem elaborado, o jogo ao mesmo tempo que lembra muito os
quadrinhos consegue também mostrar o quanto é diferente e
que tem sua própria assinatura. Todos os personagens
importantes do jogo são personagens que também existem nas
hq mas alguns com diferenças enormes, como por exemplo a
Mary Jane, de super modelo passou para reporter do Clarim,
mas por outro lado alguns personagens permanecem da
mesma forma como a capitã Watanabe ou até mesmo o JJ que
a unica mudança é que agora tem um programa de rádio que
ouvimos durante o jogo e ataca o aranha por lá. Em outras
palavras o jogo reimagina o universo do Homem-Aranha no
mundo atual de uma forma bem original mas respeitando o
passado, e ao desenrolar da trama vamos notando muitos
elementos das histórias antigas, principalmente das frequentes
guerras de gangues dos anos 80.

O jogo não se preocupa em
contar a origem do personagem  mas o
background desse novo universo é inserido de maneira sutil e
eficaz no jogo causando certa “familiaridade” aos jogadores,
como por exemplo alguns itens que pegamos das mochilas do
Peter espalhadas pela cidade. Cada vez que pegamos uma, o
Peter conta a história de como conseguiu aquilo ou que
aconteceu na época, como quando pegamos um chifre velho
que ele arrancou do Rhino, ou até mesmo um cartão da
“Nelson e Murdock”e por ai vai.

Como falei o jogo não conta a
origem do personagem nem nada do tipo, justamente por que
ele já começa com um aranha adulto e experiência em torno de
uns 23 anos se não me engano. Um Aranha piadista mas que
sabe o que está fazendo e que tem o bom e velho senso de
responsabilidade. Muita gente, incluindo roteiristas da Marvel,
acham que o Aranha é um herói falastrão.  Mas não! Esse papel
de falastrão é do Deadpool, o Aranha é somente piadista(não
que ele fale pouco…) e é isto que temos no jogo, um aranha
que faz piadas, algumas tão ridiculas que te arrancam risadas e
temos um Peter sarcastico também que lembra o do desenho
dos anos 1990.

A semelhança física desse Peter com o Andrew Garfield, ator dos
filmes “Espetacular Homem-Aranha” é nitidamente visivel
também, sendo a maior diferença é o rosto mais “cheio” e o
pescoço menor. Apesar das várias piadas que o Homem-
Aranha faz durante o jogo você sente que ele está levando
aquilo a sério e o clima do jogo por si só ajuda nessa “seriedade”


O game possui várias cenas emocionantes assim como cenas de
ação dignas de filmes de Hollywood.
O jogo já começa com o Homem-Aranha numa missão junto
com a policia de NY para prender WIlsom Fisk o Rei do Crime.
Durante essa missão o traje clássico é quase todo destruido.
Como disse antes no jogo temos um aranha experiente que
trabalha lado a lado a policia, por outro lado temos um Peter
Parker já morando sozinho e trabalhando como assistente de
laboratorio de ninguém mais ninguém menos que o Dr. Otto
Octavius! Quando Peter leva seu traje para consertar no
laboratório Otto acaba achando, mas resolve ajudar Peter
pensando que o mesmo somente cria os equipamentos para o
Homem-Aranha, então Otto cria um novo traje, que é o traje
com a aranha branca que assistimos nos trailers.

Ao desenrolar
da trama vamos acompanhando a tentativa de reconciliação do
Peter com a MJ, ambos tem uma dinâmica legal no jogo devido
ao fato de que a MJ é reporter. Outra personagem que tem
uma ótima interação com Homem-Aranha é a Capitã Watanabe
que basicamente faz o mesmo papel que a Capitã Jean DeWolf
fazia nas hqs. Não  a toa já que as personagens nos
quadrinhos são diretamente ligadas, o legal é que passamos
boa parte do jogo falando com ela por telefone então a
personagem acaba ganhando uma certa profundidade e nos
acostumamos a ela. É mais aproveitada inclusive que nas hqs.

Apesar de MJ nova ser bem legal e ter
uma dinâmica bem diferente com o Peter/Aranha que a das
HQs ou de que qualquer outra adaptação tinha eu confesso
que pra mim a Watanabe roubou a cena com os dialogos com
o “Agente Spider”.
Como nem tudo são flores e algo que nunca pode faltar é o
velho “azar dos Parkers”: Tudo que o Peter conquistou é
arruinado pelo conflito com seu alter ego, o mesmo é
despejado do apartamento por simplesmente ter esquecido de
pagar o aluguel e Norman Osborn corta o finânciamento do Dr.
Octavius deixando Peter sem emprego e sem ter onde morar.
Ferrado e sem escolha o herói resolve passar uns dias num
abrigo onde sua Tia May trabalha e mais pra frente o jovem
Miles também começa a trabalhar lá.  O  dono do tal abrigo se chama
Martin Li(Sr.Negativo). Martin Li é um filatropo muito bem visto
e gentil com todos mas sua parte “negativa” acaba se
sobrepondo com o tempo e seu rancor contra Norman o
transforma em terrorista, e é ai que a trama começa de
verdade.

Bem não tem como falar muito dela sem dar Spoilers
então vou deixar o resto para que assitam jogando, ou quem
não tem como jogar recomendo que assista pelo youtube, pois
vale muito a pena.


De forma degeral o jogo é espetacular, tem várias
referências aos jogos antigos, aos filmes e aos quadrinhos pra
quem é fã se deleitar. É até difícil achar defeitos. Tanto é que o
único que achei foi o da dublagem, que apesar de ter boa
atuação e das vozes serem legais as vezes a boca se mexe
sem sincronia com o audio ou também é normal ver algum civil
falando em português e outro em inglês mas isso não interfere
em nada na experiência do game. Tabém vale ressaltar a trilha
sonora do jogo que é algo fantastico, deixa tudo mais
empolgante.

Então é isso galera, essa foi minha primeira

“análise” de um jogo, espero que ajude quem ainda está
indeciso se compra ou não. Até mais Aracnofãs!

 

Sobre o Autor

Wellington(mais conhecido como Macgaren) é Marvete desde pequeno(Atualmente desiludido) e tem no Homem-Aranha seu personagem Marvel preferido.

  • Rezo Inverse

    Além do YouTube, nessas horas é ainda melhor ter um amigo dono de PS4.

VÍDEOS

Navegador de Podcasts





PADRIM

Padrim3

Visite Nossa Loja Virtual

Loja Virtual

CANAIS

Feeds Twitter You Tube Instagram Facebook

Fan Page

9ª Arte